Setup Menus in Admin Panel

Você sabe o que é psicologia forense?

Quando nos referimos à temática da investigação, falamos em INVESTIGADOR, ou seja, em sentido amplo, aquele que investiga. Dessa forma, o Investigador Criminal é aquele que investiga algo que tenha relação a algum ato possivelmente delituoso.

Segundo nosso professor Agenor da Costa Neto, no Brasil, o termo Investigador Criminal é atribuído aos Investigadores de Polícia, cujas atribuições são levantar dados, tratá-los, analisá-los e propor conclusões a respeito de fatos criminosos.

Ele afirma ainda que no Brasil tem-se uma compreensão limitada acerca de quem seriam os investigadores criminais, conferindo essa função somente aos agentes públicos legalmente constituídos. Tal restrição no entendimento se dá pela exclusividade da atribuição do Estado na investigação dos crimes. No entanto, cada vez mais, o Estado vale-se de ferramentas e de especialistas de fora de seus quadros de servidores quando dentre estes não há quem possa prestar determinado serviço.

Um exemplo disso é o déficit de profissionais atuando nas áreas de Psicologia Forense, bem como de investigadores que dominem meios de estudo e determinação de padrões de comportamentos, a fim de traçar perfis criminais e com isso auxiliar na investigação criminal.

O professor ressalta, desse modo, a importância de uma boa formação do psicólogo na área forense a fim de que possa contribuir nos diferentes processos judiciais em demandas diversas, sejam civis, trabalhistas ou criminais. As exigências apresentadas pelos profissionais da justiça deverão ser esclarecidas a fim de que a tomada de decisões seja clarificada, por intermédio desse profissional.

A Psicologia Forense avalia processos mentais: é uma ciência que, por meio de avaliações, restritas apenas a psicólogos, se utiliza de métodos e recursos específicos que auxiliam promotores, juízes e advogados, assim como famílias, na solução de demandas judiciais.

Nesse sentido, o psicólogo se capacita para lançar mão de entrevistas, testes psicológicos ou neuropsicológicos de modo a elaborar relatórios que serão utilizados como evidência em um processo. A ideia é que os relatórios sejam precisos, com linguagem clara e técnica, para que sejam compreensíveis à todas as partes.

Espero que tenha lhe ajudado! Se tiver dúvidas, mande aí que tentaremos responder.

Abraço a todos

Professor AGENOR DA COSTA NETO
Perito Criminal Oficial

O INVESTIGADOR CRIMINAL
Instagram: @agenorcneto

Conheça a Pós:

16 de maio de 2020